Projetos da PJ

Este projeto tem como finalidade capacitar lideranças e grupos para acompanhar com subsídios, planejamento e assessoria; fortalecer as coordenações paroquiais, diocesanas e regionais; incentivar a continuidade e a criação de escolas de bíblia, liturgia e de retiros; ter o Ofício Divino da Juventude como instrumento de trabalho nas dioceses e grupos; estabelecer parceria com as pastorais: Catequética, Familiar e Vocacional para um trabalho mais integrado. Há, por parte dos jovens, grande interesse para as questões relacionadas à bíblia, à liturgia, à oração, ao Ofício Divino da Juventude e das Comunidades, e ao Método de Leitura Orante e, também, muita procura das atividades oferecidas pelos regionais e pela Rede Brasileira dos Centros e Institutos de Juventude.
              Através do Projeto Mística da Construção lançamos um olhar sobre a quantidade de jovens que buscam algo para participar. Em especial aos/às jovens da crisma e àqueles/as que manifestam o desejo de aprofundar a vivência de sua fé. A produção de subsídios que possibilitem aos/as jovens e a assessoria a vivência de processos em quaisquer grupos que se encontrarem: crisma, Pastoral da Juventude e outros. Que a juventude seja missionária de outros jovens através da aproximação, do encontro com outros jovens e com a realidade que permita ver o diferente e o leve a uma mudança de vida e transformação das situações de injustiça como lugar da vida comunitária.
                 É tarefa de todos/as a oferta de espaços de formação da juventude para provocar a criação de novos grupos de jovens a partir da arte, da cultura, do esporte, de projetos concretos de ação solidária. Isso será possível com um mutirão de novos meios de fazer a convocação, integrando as atividades de massa para despertar para a vida em grupo.

  • FORMAÇÃO DE LÍDERES E ASSESSORES/AS.
            Este projeto busca estar atento em relação à metodologia, para que haja respeito à diversidade cultural e às realidades juvenis, buscando inovar com recursos atualizados e possíveis e com propostas atrativas para os/as jovens e assessores/as. No Projeto “Caminho de Esperança”, propomos respostas à ausência de assessores/as e lideranças que contribuam para um planejamento que concretize e acompanhe a vivência de um processo de educação na fé.
          Será uma tarefa constante a construção de propostas de formação a partir das dimensões da formação integral, intensificando o estudo sobre planejamento e acompanhamento dos/as jovens. Neste sentido é necessário fortalecer as parcerias com a Rede de Centros e Institutos sobre Juventude para um trabalho de reflexão e elaboração das propostas de formação existentes. 
ONHECENDO A DIVERSIDADE DA JUVENTUDE INDÍGENA, RIBEIRINHA, RURAL E QUILOMBOLA.

É preciso conhecer a realidade indígena, a realidade dos ribeirinhos, rurais e quilombolas e outras realidades juvenis, seu modo de viver e ver o mundo para ampliar nossas reflexões e ações. Isso exige uma convivência para que possamos ter a possibilidade de construir uma pedagogia que respeite estas realidades. A identidade cultural destas populações chamadas “tradicionais” enriquecerá a todos nós, pois fazemos parte da história desses povos. O projeto tem como objetivo despertar na caminhada da Pastoral da Juventude maior conhecimento da diversidade juvenil, fortalecendo e revitalizando a resistência e identidade cultural dos/as jovens envolvidos/as no projeto, para desenvolver uma campanha em favor destas populações para quebrar com o preconceito mostrando a história desses povos.
O Projeto “AJURI” quer ser uma proposta que contribua na afirmação da identidade cultural e social dos/as jovens indígenas, quilombolas, ribeirinhos e rurais, e a construção de uma pedagogia que respeite estas realidades. É urgente o conhecimento e a valorização da imensa diversidade do bioma brasileira: a Amazônia, a Caatinga, o Cerrado, o Pantanal, os Pampas.
A diversidade e a pluralidade juvenil é outro aspecto a ser garantido com o projeto Ajuri para aproximação, diálogo e troca com os jovens dos povos e comunidades tradicionais: indígenas, ribeirinhos, quilombolas, ciganos, comunidades de terreiros, pescadores artesanais, caiçaras, pomeranos, faxinalenses, pantaneiros, quebradeiras de coco, caboclos, mestiços, agro-estrativistas, seringueiros, fundos de pastos, para a preservação e reconhecimento de sua cultura, línguas, costumes e combates às praticas exploratórias.

Este projeto tem como proposta criar uma rede de produção e difusão de idéias e informações, entre as diversas instâncias, sendo um canal democrático e criativo para fortalecer a caminhada da Pastoral da Juventude na sua relação com a sociedade, entidades e pessoas (ligadas ou não à PJ) de acordo com o objetivo geral da Pastoral da Juventude, tendo em vista um novo homem e uma nova mulher.
      O funcionamento, com todo seu potencial, do Projeto “TeiaS da Comunicação”, possibilitará responder aos desafios da falta de articulação e informação, de sentido de pertença a uma proposta pastoral, e ao isolamento gerado pelas distâncias geográficas. É necessário ampliar as formas de divulgar as atividades e idéias da Pastoral da Juventude nos diversos meios de comunicação social, intensificando o marketing pastoral como forma de democratizar o acesso dos jovens a redes de comunicação em âmbito local, estadual e nacional através da comunicação alternativa: jornais murais, grupos de teatro, programas alternativos de rádio, dinamizando e criando dados com facilidade de acesso para grupos de jovens, livros, subsídios, textos, dinâmicas, e tudo o que for produzido e catalogado.
   O projeto nasceu da Campanha “A Juventude quer viver”, da Casa da Juventude de Goiânia e foi ampliada, em nível nacional, e assumida pela organização da Pastoral da Juventude como um projeto. Essa campanha tem como tarefa posicionar-se publicamente sobre alguns temas que afetam diretamente a vida da juventude, utilizando todos os recursos visuais e pedagógicos (panfletos, cartazes, textos, debates), de modo a mobilizar a juventude para refletir, manifestar a sua opinião e posicionar-se criticamente frente aos temas propostos.
O Projeto “A juventude quer viver”, traz luz para responder, com coragem, ao desafio das realidades sofridas pelos/as jovens tais como: genocídio, violência, prostituição, drogas e etc. Queremos mobilizar os/as jovens para uma busca de alternativas que gerem vida. Por esses motivos é tarefa fundamental da Pastoral da Juventude oferecer subsídios para ajudar nas reflexões das temáticas que envolvem a defesa da vida da juventude. Preparando jovens para acompanhar, propor e participar dos espaços de definição de políticas públicas de juventude e do controle social.
É necessário a integração da Pastoral da Juventude em redes de defesa das questões da vida da juventude junto aos/as candidatos/as a cargo público e aos eleitos/as. A busca de alternativa de vida para a sustentabilidade e o protagonismo juvenil que envolve desde a viabilidade econômica mas também as vivências culturais, o lazer e a saúde.