quarta-feira, 15 de junho de 2011

Juventude será o tema da Campanha da Fraternidade de 2013


Fraternidade e Juventude. Este será o tema da Campanha da Fraternidade de 2013. A escolha foi feita hoje, , pelo Conselho Episcopal Pastoral, que está reunido desde ontem na sede da CNBB.

O tema foi proposto pelo Setor Juventude da CNBB, que recolheu cerca de 300 mil assinaturas junto aos jovens do Brasil. O lema será escolhido na próxima reunião do Consep.

O Setor da Mobilidade Humana da CNBB apresentou e defendeu o tema do tráfico de pessoa humana e o trabalho escravo. Outros temas foram apresentados, mas não receberam votos.

Esta será a segunda Campanha da Fraternidade sobre a Juventude. A primeira foi realizada em 1992 com o lema “Juventude, caminho aberto”.

A escolha dos temas da Campanha da Fraternidade é feita com antecedência de dois anos.

sábado, 11 de junho de 2011

Dia Nacional de Oração pela Vida da Juventude - Pastorais da Juventude - 15 de junho

Querida juventude brasileira, a vida juvenil pede nossa atenção!

"Eu vim para que todos tenham vida e

a tenham em abundância" (Jo 10, 10)

O próximo dia 15 de junho marca os dois anos de morte do Pe. Gisley Azevedo Gomes, assessor do Setor Juventude da CNBB. A saudade que cada jovem carrega em si pode ser a chance de um novo começo, de continuidade de um projeto que luta pela vida da juventude e que crê em um Jesus Ressuscitado, que renova as estruturas e luta pelo pobre e oprimido. A sua ausência se faz presença no meio da juventude, serve de luz, inspiração e motivação para que cada jovem cultive em si a indignação e se sinta incomodado ao ver tantos outros jovens mortos todos os dias. A Juventude é vida e quer viver! Quer viver um “um novo céu, uma nova terra”(Is 65,17) e construir a Civilização do Amor.

Neste momento em que se mescla ternura e resi

stência, precisamos nos colocar em movimento, lutando pela vida, contra a violência e extermínio daqueles que como nós, acreditam na juventude. Eis então o convite para celebrarmos juntos, a vida da juventude e a páscoa de um companheiro que caminhou conosco nesta batalha, realizando por meio do ofício que acompanha esta mensagem, o Dia Nacional de Oração pela vida da juventude.

Celebrar a Páscoa é um ato de fé e esperança no novo, na renovação e ao mesmo tempo na libertação da juventude que sofre com as mazelas de seu tempo. Por isso, juntos vamos celebrar a Páscoa de Pe. Gisley e em comunhão, convidamos os jovens de todo Brasil, se colocarem em oração neste dia 15 de junho, após exatos dois anos de sua morte. Celebrando a memória da vida deste eterno acompanhante juvenil, celebraremos a vida da juventude, cantando, rezando, dançando e lutando contra o extermínio de violência de jovens.

Faça este Dia Nacional de Oração pela Vida da Juventude acontecer em cada pedaço deste país e que cada jovem esteja em sintonia e oração.

Vamos juntos, girar o mundo! Rezar e clamar ao nosso amado Deus pela vida da juventude!

Brasil, 11 de junho de 2011.

Pastoral da Juventude

Pastoral da Juventude do Meio Popular

Pastoral da Juventude Estudantil

Pastoral da Juventude Rural

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Carta dos Padres Estigmatinos com até 10 anos de votos perpétuos

Viver e não ter a vergonha de ser feliz”

Aos superiores, sacerdotes, irmãos e demais membros de nossas casas religiosas.

Nos dias 07 e 08 de junho de 2011, estivemos reunidos, na Fazenda Sant’Ana sob orientação do Pe. Jordélio Siles Ledo, no encontro de formação para religiosos

de até 10 anos de votos perpétuos. Este encontro foi uma atividade das eq

uipes de formação de nossas províncias e contou com a participação de 4 religiosos da província São José e 13 da Santa Cruz.

Foi-nos proposto pelo facilita

dor o seguinte tema: “O ser, o saber e o saber fazer do Padre e do Religioso Estigmatino”. Ao tratar a temática do “Ser” refletimos sobre a identidade e o rosto do Jovem Estigmatino, destacamos que existem várias dimensões. “Diante de uma época de mudança e uma mudança de época”, sabemos que o nosso rosto se constitui como um mosaico revelando nossas esperanças e incertezas, pertenças e in

dife

renças, realizações e frustrações, sonhos e letargias. No tocante ao “Saber”, fomos iluminados a partir da pedagogia de Deus, a pedagogia de Jesus, a pedagogia da Igreja e a pedagogia da nossa Congregação. Quanto ao “Saber fazer”, destacamos nossa ação pastoral a pa

rtir de reflexões do Documento de Aparecida e da realidade em que cada confrade está inserido. Chegamos à constatação que o nosso fazer se concentra, em geral, na atividade paroquial. Com isso, sentimos a necessidade, inspirados no nosso carisma e nos apelos da Igreja, de ampliar nossa ação pastoral revendo nossas metodologias, pois “já não tem caminho novo, o que tem de novo é o jeito de caminhar”.

O encontro foi marcado por momentos de partilha

de vida, confraternização e celebração que muito nos ajudaram a perceber o quanto podemos ser solidários uns com os outros nas alegrias e tristezas. Inspirados na sabedoria do Evangelho, saímos com a certeza de que nosso ser religioso e sacerdotal necessita diariamente de revisitar as fontes de nossa vocação primeira, sem medo de nos arriscarmos em novos projetos pastorais que nos ajude a construir o Reino de Deus nas realidades onde estamos inseridos. Contudo, compartilhamos o desejo de que as nossas províncias nos olhem com esperança,

conheçam e acolham nossos dons, com a certeza que ainda somos jovens e estamos aprendendo a caminhar, correndo o risco de cometer erros e acertos. No entanto, rezamos para que tenhamos sempre um “norte”, que não nos faça perder a esperança, mesmo diante das situações em que nos faltam paradigmas que nos apontem caminhos. Sendo assim, queremos unir nossas forças de padres jovens com as daqueles que já tem uma experiência maior de caminhada para que “sejamos um” assim como o Senhor é um com o Pai (cf. Jo 17, 11).

Nesses dias, em nossas reflexões, citamos trechos da gramática de São Gaspar Bertoni e encerramos compartilhando um pensamento:

O sacerdote, é um homem igual a todos os outros, por natureza e condição. Por isso, vive pressionado de todos os lados por tribulações, assediado por inimigos e ameaçado por perigos, os mesmos ou até maiores do que os fiéis. Assim, ao mesmo tempo em que o sacerdote ajuda os fiéis a conseguir a salvação, deve ser também auxiliado por

eles a obtê-la através de orações. Rezemos, portanto, e rezemos muito pelos sacerdotes.” (Gramática de Padre Gaspar Bertoni, n. 178).

No júbilo da festa de São Gaspar Bertoni, nos despedimos com um abraço em Cristo Jesus.

Fraternalmente,