terça-feira, 12 de abril de 2011

Meus amigos




Meus amigos são todos assim: Metade loucura, outra metade santidade. Escolho-os não pela pele, mas pela pupila, que tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hálitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu
avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior e
m mim. Para isso, só sendo louco. Quero-os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolhos meu
s amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Pena, naõ tenho nem de mim mesmo, e risada, só ofereço ao acaso. Quero meus amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte dea prendizagem, mas lutam para que
a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca jtenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou, pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.
*Autor desconhecido

segunda-feira, 11 de abril de 2011

A viagem continua por Livramento de Nossa Senhora, BA









No dia 23 de março cheguei em Livramento de Nossa Senhora, BA. A paróquia Bom Jesus do Taquarí foi a última a ser vi

sitada da Região Bahia. Uma semana nessa cidade com muitas conversas e convivência com os confrades Pe. Cido, Pe. Elizio e Diác. José, bem como, com a querida juventude de Livramento.

Pe. Cido com muitos ideais, tendo em vista que terminou o pós em juventude, organizou encontros com jovens e c

om crismandos. Dois momentos muito r

icos em partilhas, vivências e formações. Tive a oportunidade de presidir a missa no domingo a noite, na qual o grupo de Jovens, Caminhando com Cristo, comemorava mais um ano de existência. Logo após, uma gostosa comemoração. Esses jovens estão de parabéns pela organização da cel

ebração e da festa e também pelo engajamento na Pastoral da Juventude.

Essa juventude da paróquia também deixou sua marca na faixa da

Campanha contra violência e extermínio de Jove

ns

. Isso aconteceu após o encontro onde discutimos as diversas formas de violências existentes na cidade e algumas alternativas para criarmos uma cultura de paz.

Os planejamentos para outros encontros, tendo em vista as próximas visitas a essa cidade, foi organizado por alguns jovens, agora é trabalhar bem na caminhada dos grupos juvenis da paróquia.

domingo, 10 de abril de 2011

NOTA DA CNBB EM DEFESA DA LEI MARIA DA PENHA


CNBB manifesta apoio a Lei Maria da Penha, veja:

“Deus os criou homem e mulher” (Gn1,27).
Nós, Bispos do Conselho Episcopal de Pastoral, reunidos em Brasília, nos dias 21 e 22 de março de 2011, manifestamos apoio à mobilização nacional em defesa da Lei Maria da Penha, sancionada pelo Presidente da República no dia 07 de agosto de 2006. Após cinco anos de vigência, a lei recebeu grande apoio da sociedade e merece ampliar seu alcance, assegurando todos os mecanismos e instrumentos nela previstos de modo que todas as mulheres vítimas de violência tenham seus direitos e sua cidadania garantidos.

A Lei representa uma grande conquista para as mulheres brasileiras, pois incorporou o avanço legislativo internacional e se transformou no principal instrumento legal no enfrentamento da violência doméstica contra a mulher no Brasil, inclusive com reconhecimento da Organização das Nações Unidas (ONU), como uma das melhores legislações do mundo.

As estatísticas, no entanto, revelam que o país ocupa a 12ª posição no ranking mundial de homicídios femininos (Mapa da violência - 2010, Datasus). No período de 1997 a 2007, 10 mulheres foram assassinadas por dia no Brasil. Isso merece nosso repúdio e indignação.

São, portanto, motivo de preocupação as interpretações restritivas e as tentativas de revisão dos artigos 16 e 41 da lei que diminuem sua eficácia e representam um significativo retrocesso na sua implementação e aplicabilidade. Tais restrições acarretam menor punição aos agressores, aumento do arquivamento dos processos, o desestímulo das mulheres em denunciar e exigir prosseguimento das investigações.

A Lei Maria da Penha é instrumento que levou a sociedade a realizar ações positivas no enfrentamento dos atos de violência contra a mulher. Cabe aos Poderes Executivo, Judiciário e Legislativo cuidar pela sua manutenção tal como aprovada, não permitindo nenhum tipo de retrocesso ou omissão.

A Igreja, comprometida na defesa dos Direitos Humanos, manifesta-se, mais uma vez, a favor do respeito à dignidade da mulher, incentiva os esforços de instituições e da sociedade na luta pela superação de todo e qualquer tipo de violência, possibilitando a construção de uma cultura de paz no ambiente familiar e social.

Brasília, DF, 22 de março de 2011.

Comunicação Social

Autor/Fonte: www.cnbb.org.br

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Campanha da Fraternidade (CF) 2011 - parte 1

Visita a juventude de Ituaçu, BA




No dia 15 de março fui para Ituaçu, BA. Estava ansioso para encontrar a juventude ituaçuense e a expectativa foi correspondida. Diariamente encontrava-me com jovens sonhadores, lutadores, sofredores, místicos e cheios de vida. Algumas vezes me acordavam e despedíamos na hora do repouso noturno.
Muitas reuniões, muitas conversas, muitos projetos, muitos sonhos e assim ia se apresentando a necessidade da elaboração e acompanhamento de um projeto mais condizente com a realidade da juventude de Ituaçu. O desabafo de muitos jovens preocupados com o aumento de usuários de drogas na cidade, assim como com o aumento da violência mostrava que a Campanha contra violência e extermínio de jovens precisava se fazer real na vida dos grupos juvenis.
No dia 20, realizamos um grande encontro, a chuva impossibilitou a presença dos jovens das comunidades rurais, mas tivemos a presença de muitos jovens da cidade e conseguimos pensar juntos a realidade da juventude de Ituaçu, propor algumas atitudes dos grupos. Convivemos o dia inteiro com brincadeiras, discussões, músicas, alimentação e muita amizade. Ao final, deixamos nossa marca na faixa que marcará a adesão à Campanha contra violência e extermínio de jovens.
As visitas aos grupos de jovens fortaleceu ainda mais o compromisso com a sociedade. Pensamos um pouco sobre papel que a juventude pode e deve desempenhar nesta cidade.
Deixei esta cidade cheio de expectativas, cheio de sonhos e cheio de saudades e parti rumo a cidade de Livramento para continuar a missão junto a juventude das paroquias estigmatinas.